Canção do nosso amor

sábado, 4 de junho de 2011 5 comentários
Neusa!
Atendendo seu convite, mesmo sabendo que não estou à altura dos outros participantes desse blog, que são excelentes escritores e poetas, deixo abaixo a minha pequena colaboração. Agradeço o convite que muito me honrou.


Eu
Quando estou nos seus braços
Esqueço o cansaço
Só penso em amor

Eu
Quando estou nos seus braços
Me sinto no espaço
Querendo voar

Beijo
Seus lábios e sinto
Meu peito explodindo
De tanta emoção

Seus olhos brilhantes
Tal qual diamantes
Me dizem que sou
Sua grande paixão

Ama-me
Que com você
Eu sou feliz

Deixa-me
O seu amor
Retribuir

Se você
Está feliz como estou
Canta junto
Esta é a canção do nosso amor

Manoel
Visitem o meu blog: Rabiscos do Mané

MORTE

sexta-feira, 3 de junho de 2011 19 comentários

Ausência da dor passada,
dos vaivéns da minha sorte;
nem gosto, nem sentir, nem nada
Apenas a paz da morte!

Não durmo querendo ver-te 
lenta chegar, de sons e cores deserta;
para que sem sombra de engano, a ti saber que me irmano
Sentir que morro desperta!


Seria tudo em um instante,
o ponteiro dos segundos percorreria seu quadrante;
e eu seria feliz ao ouvir-te o dócil passo
Que estaria prestes a dar-me o teu longo e eterno abraço!

Os meus olhos secos e moribundos,
cerraria-os contente e sem ansiedade;
não tenho um ente no mundo
Que de mim sinta saudade!

Não encontrei aqui na Terra,
a realização dos sonhos meus; 
não tenho ninguém para ouvir
O meu último e breve adeus!


Única ideia mais real dos homens,
que, no entanto, a qualquer um aterra; 
consciência, razão, tudo aquilo que nos aflige
Deram em nada, ao passarmos na Terra!

Que mais posso fazer senão se,
na dor que me devora violar tua demora;
se por ver tua tardança, para encher-me a esperança
Quis matar-me nesta hora!




Texto: Neusa Fiesta, inspirada em 
Hora de Delírio de Junqueira Freire.
Imagem by michellemonique