FLICTS

terça-feira, 26 de outubro de 2010



Era uma vez uma cor muito rara e muito triste que se chamava Flicts
não tinha a força do Vermelho
não tinha a imensa luz do Amarelo
nem a paz que tem o Azul
Era apenas o frágil e feio e aflito Ficts

Tudo no mundo tem cor
tudo no mundo é
Azul
Cor-de-rosa
ou Furta-cor
é Vermelho ou
Amarelo                                                                                   
quase tudo tem seu tom
Roxo
Violeta ou Lilás
Mas
não existe no mundo
nada que seja Flicts
-nem a sua solidão-
Flicts nunca teve par
nunca teve um lugarzinho
nem espaço bicolor
(e tricolor muito menos
-pois três sempre foi demais)
Não
Não existe no mundo
Nada que seja Flicts

Na escola a caixa de lápis
cheia de lápis de cor                                                
de colorir paisagem                                                   
casinha e cerca e telhado
árvore e flor e caminho
laço e ciranda e fita
Não tem lugar para Flicts

Quando volta a primavera
e o parque todo e o jardim todo
se cobrem de cores
nem uma cor ou ninguém
quer brincar com o pobre Flicts

Um dia ele viu no céu
depois da chuva Cinzenta
a turma toda feliz                                             
saindo para o recreio
e se chegou para brincar:
"Deixa eu ficar na berlinda?
Deixa eu ser o cabra-cega?
Deixa eu ser o cavalinho?
Deixa que eu fique no pique?"

Mas ninguém olhou pra ele
só disseram frases curtas
cada um por sua vez:

"Sete é um número tão bonito"  disse o vermelho Vermelho
"Não tem lugar para você"         disse o Laranja
"Vai procurar um espelho"         disse o Amarelo
"Somos uma grande família"     disse o Verde
"Temos um nome a zelar"         disse o Azul
"Não quebre a tradição"            disse claro o Azul-anil
"Por favor não vá querer quebrar
a ordem natural das coisas"     disse violento o Violeta

E as sete cores se deram as mãos
e à roda voltaram
e voltaram                                                            
a girar                                                                   
a girar girar girar
a girar girar girar
e mais uma vez
deixaram
o frágil e feio e aflito
Flicts
na sua branca solidão

Mas Flicts não se emendava
(e por que se emendar?)
não era bom ser tão só
e um dia foi procurar um trabalho
pra fazer a salvação no trabalho:
"Será que eu posso ter um cantinho
ou uma faixa em escudo ou em brasão
em bandeira ou estandarte?"

"Não há vagas"   falou o Azul
"Não há vagas"   sussurrou o Branco
"Não há vagas"   berrou o Vermelho
                                                                                  
Mas existem mil bandeiras
trabalho pra tanta cor        
e Flicts correu o mundo
em busca do seu lugar
E Flicts correu o mundo:
pelos países mais bonitos                             
pelas terras mais distantes
pelas terras mais antigas
pelos países mais jovens

Mas nem mesmo as terras
mais jovens
as bandeiras mais novas
e as bandeiras todas
que ainda vão ser criadas
pensaram em Flicts
para ser sua cor
Não tinham para ele
uma estrela uma faixa
uma inscrição

Nada no mundo é Flicts
ou pelo menos quer ser
O céu por exemplo é Azul
é todo do Azul o mar
"Mas quem sabe o mar
quem sabe?"pensa Flicts agitado                                 
"O mar é tão inconstante
É Cinzento se o dia é cinzento
como um imenso lago de chumbo
E muda com o sol ou a chuva
Negro salgado ou vermelho"

O mar é tão inconstante
tem tantas cores o mar
Mas para o pobre Flicts
suas cores não dão lugar

E o pobre Flicts
procura alguém
para ser seu par                                                               
um companheiro
um amigo um irmão
"Eu posso ser seu amigo"
"Não"      avisa o Vermelho
"Espera" o Amarelo diz
"Vai embora" lhe manda o Verde
e mais uma vez sozinho
o pobre Flicts se vai

UM DIA FLICTS PAROU
e parou de procurar
Olhou pra longe bem longe
e foi subindo subindo                              
e foi ficando tão longe
e foi subindo e sumindo
e sumiu

Sumiu
que o olhar mais agudo
não podia advinhar
para onde tinha ido
para onde tinha fugido                                                      
em que lugar se escondera
o frágil e feio e aflito
Flicts


E hoje com dia claro

mesmo com o sol muito alto
quando a Lua vem de dia                                                                        brigar com o brilho do sol
Lua é Azul


Quando a Lua aparece
-nos fins das tardes de outono-
do outro lado do mar
como uma bola de fogo
ela é redonda e Vermelha


E nas noites muito claras
quando a noite é toda dela
a Lua é de prata e ouro
enorme bola Amarela                                                


MAS NINGUÉM SABE A VERDADE
(a não ser os astronautas)


que de perto
de pertinho


A LUA É FLICTS
Terra vista da Lua













Uma homenagem à Ziraldo
By Neusa Fiesta


                                               


11 comentários:

{ carlos roberto } at: 26 de outubro de 2010 21:53 disse...

Como tudo que você faz, ficou muito linda a sua homenagem, Neusa!

Parabéns pela postagem!

Um abração...

{ Neusa Fiesta } at: 26 de outubro de 2010 23:29 disse...

Obrigada, amigo! Que bom que vc gostou!
BEIJOS

{ Malu } at: 26 de outubro de 2010 23:36 disse...

De Ziraldo tudo é belo e cheio de emoção!
Esta história é encantadora.
Abraços

{ Dú Pirollo } at: 27 de outubro de 2010 01:53 disse...

Minha querida amiga Neusa, boa noite!!!
Que bela homenagem ao grande ao escritor Ziraldo, com toda certeza, muito merecida!!!
Maravilhoso texto de Ziraldo, como sempre!!!
Parabéns pela bela homenagem, adorei minha amiga!!!
Grande abraço e muita paz!!!

{ Neusa Fiesta } at: 27 de outubro de 2010 17:19 disse...

Querida Malu e amigo Dú Pirollo: agradeço imensamente o carinho . Um grande abraço!

{ Arte e Café } at: 27 de outubro de 2010 23:58 disse...

Querida Neusa Fiesta
Lindo texto selecionado, Ziraldo é um grande ícone da nossa literatura !
Parabéns pela maravilhosa homenagem postada!
Beijos
Alba

{ Neusa Fiesta } at: 29 de outubro de 2010 03:33 disse...

Oi Alba! Que bom que vc gostou!
Eu amo esse texto do Ziraldo!
Obrigada pelo carinho.
Um grande beijo!

{ Samanta } at: 29 de outubro de 2010 19:20 disse...

Olá minha querida Fiesta !!

Tardo mas não falho, olha eu aqui !!
Tinha que vir prestigiar este belíssimo artigo, uma maravilhosa homenagem, muito merecida, com certeza !
Adorei !

Um beijo enorme no seu coração e muita paz !

{ Della } at: 30 de outubro de 2010 15:35 disse...

Minha amiga, ZIRALDO é simplesmente FANTÁSTICO!!! Eu sou tão apaixonada por ele que um dos livros que mais adoro "Professora Maluquinha" encerra uma etapa em meu romance "Moinho de Ilusões"
Ele é um dos melhores escritores contemporâneos na minha opinião e sua homenagem foi maravilhosa. Parabéns!! Bjos

{ Jackie Freitas } at: 3 de novembro de 2010 16:15 disse...

Olá minha querida Fiesta!!
É sempre uma Festa te ler!!! E é assim, FLICTS , colorida e alegre que te vejo!
Grande beijo,
Jackie

{ Neusa Fiesta } at: 10 de novembro de 2010 14:36 disse...

Sam, Della e Jackie: obrigada pelo carinho!
Eu, simplesmente, amo Flicts e, resolvi prestar uma homenagem ao Ziraldo, num dia importante, em que se comemora o trigésimo aniversário do Menino Maluquinho.
Grande beijo a vocês!

Postar um comentário